Arco da Rua Augusta

Arco da Rua Augusta

O Arco da Rua Augusta encontra-se integrado na Praça do Comércio, sendo classificado como Monumento Nacional com a sua classificação incluída na da Praça do Comércio. Este apresenta uma arquitetura comemorativa e neoclássica, e completa a arcaria da Praça do Comércio com o estabelecimento de uma abertura para a Rua Augusta.

Arco da Rua Augusta
Susanne Nilsson, Wikimedia Commons

Em 1 de Novembro de 1755, a ocorrência do terramoto, maremoto e incêndio em Lisboa destrói o centro de Lisboa e todas as construções do Terreiro do Paço são danificadas, o que obrigou à sua reconstrução. Assim, em 1758 é publicado o alvará da edificação da cidade onde é também definida a forma e tipologia da nova praça. Apesar de estar planeado desde esta data, apenas em 1815 são colocadas as colunas do arco, ficando em falta o seu coroamento, o que viria a ser iniciado em 1873, com a finalização da Praça do Comércio que estava completa desde 1842 à exceção do arco.

A construção do Arco da Rua Augusta foi concluída em 1875, o qual é edificado em cantaria de calcário lioz, sendo constituído por três corpos em que o central mais elevado forma um arco de volta perfeita.

Arco da Rua Augusta
João Lopes, Wikimedia Commons

No arco é possível observar as estátuas de Viriato e Vasco da Gama, e do lado oposto as de Marquês de Pombal e Nuno Álvares Pereira, ladeadas por duas figuras alegóricas que representam os rios Tejo e Douro. No corpo central está presente a pedra de armas de Portugal, com o escudo português, encimado por coroa, ladeado por folhas de louro e festões. Acima do corpo central encontra-se um conjunto escultórico alegórico, que representa a figura feminina da Glória a coroar os jovens Valor e Génio, com a sua base a ter a inscrição “VIRTVTIBVS MAIORVM VT SIT OMNIBVS DOCVMENTO P P D” (“À virtude dos antepassados para ser exemplo para todos. Oferecido por subscrição pública”).

Arco da Rua Augusta
Paul Arps, Wikimedia Commons

O Arco da Rua Augusta impressiona a quem passa por este local, sendo possível a sua visita desde 2013, com a oportunidade de subir ao seu topo e aproveitar a vista que se obtém para a baixa de Lisboa e para o Rio Tejo.

Informação Geral

Morada: Rua Augusta, 1100-053 Lisboa

Horário: 24h

Transportes:  Autocarros 206,210, 706, 711, 728, 735, 746, 759, 774, 781, 782, 783, 794 (Carris). Elétricos 15E, 25E (Carris). Linha Azul – Estação do Terreiro do Paço (Metro). Barcos Terminal do Terreiro do Paço (Transtejo Soflusa)

Mapa

Cronologia

→ 1755-11-01: Terramoto, maremoto e incêndio destroem o centro de Lisboa, e são afetadas todas as construções do Terreiro do Paço
→ 1758: Publicado o alvará da edificação da cidade e que define a forma e tipologia da nova praça
→ Século XVIII: Elaboração de um projeto não efetuado posteriormente
→ Século XIX: Execução das esculturas de figuras históricas e dos rios por Vítor Bastos e da alegoria do topo por Anatole Calmels
→ 1777: Demolição do Arco da Rua Augusta e do quarteirão anexo
→ 1815: Colocadas as colunas do Arco da Rua Augusta
→ 1842: Na Praça do Comércio apenas se encontrava em falta concluir o Arco da Rua Augusta
→ 1843: Aberto o concurso para apresentação do projeto do Arco da Rua Augusta
→ 1873: Início da construção do arco
→ 1875: Concluída a construção do arco da Rua Augusta
→ 1910-06-10: Classificado como Monumento Nacional, integrado na classificação da Praça do Comércio

Partilhar

Deixar uma resposta

Fechar