Castelo de Guimarães

Castelo de Guimarães

O Castelo de Guimarães é uma importante fortificação que está diretamente ligada à fundação do Condado Portucalense e à independência em relação ao reino de Leão e Castela, e consequente criação do reino de Portugal

A primeira fortificação

Após a morte do conde Hermenegildo Gonçalves, a sua esposa, a condessa Mumadona Dias, assume o controlo do condado e manda construir o Mosteiro de Santa Maria na parte baixa de Vimaranes (atual Guimarães), e mais tarde um castelo na parte alta. O castelo, erguido sob invocação de São Mamede, visava a proteção do mosteiro e das populações que viviam nas suas imediações.

Fotografia do Castelo de Guimarães
Marco Aldeia, Wikimedia Commons

Com a doação das terras a D. Henrique por Afonso VI de Leão e Castela, e consequente fundação do Condado Portucalense, o conde muda-se para o castelo com a sua esposa, D. Teresa de Aragão. O conde D. Henrique procede então à remodelação do espaço do castelo, demolindo a torre que fora construída no tempo da condessa Mumadona Dias, e mandando erguer a Torre da Menagem.

A batalha de São Mamede

A morte do conde D. Henrique, em 1112, fez com que o destino do Condado Portucalense ficasse nas mão da sua esposa, D. Teresa. Mais tarde, a aliança entre D. Teresa e Fernão Peres, um fidalgo galego, fez com que os nobres e o seu filho D. Afonso Henriques temessem pelo futuro do Condado Portucalense. Assim, D. Afonso Henriques armou-se cavaleiro e travou uma contra a sua mãe a norte do castelo, no campo de São Mamede. A vitória de D. Afonso Henriques garantiu-lhe o domínio do condado, e mais tarde a independência face ao reino de Leão e Castela, formando assim o reino de Portugal.

Fotografia do Castelo de Guimarães à noite
Halley Oliveira, Wikimedia Commons

As muralhas

Nos reinados que se seguiram, deu-se especial importância ao amuralhamento da vila de modo a reforçar a proteção das terras e das populações. Primeiro, na viragem do século XII para o século XIII, D. Sancho I definiu o perímetro da muralha da parte superior da vila, e mais tarde, D. Afonso III procedeu à unificação da parte alta e da parte baixa da vila.

Fotografia do interior do Castelo de Guimarães
Nuno Tavares, Wikimedia Commons

A perda de funções e dias de hoje

Com o passar dos anos, e com a consolidação política do reino, o Castelo de Guimarães foi perdendo a sua função de defesa, e passou a servir como palheiro do rei, assumindo cada vez mais uma situação de abandono. Esta situação foi agravada com a destruição da Torre de São Bento, durante o século XIX.
Já no século XX, mais precisamente em 1908, foi registada a classificação como Monumento Nacional, e foram efetuadas intervenções sua estrutura. O castelo foi reinaugurado no dia 4 de junho de 1940, e mantém-se até os dias de hoje aberto para o público.

Fotografia da estátua de D. Afonso Henriques, no Castelo de Guimarães
PePeEfe, Wikimedia Commons

Informação Geral

Morada: Rua Conde D. Henrique 4800-412 Guimarães, Braga
Horário: Aberto todos os dias das 10h00 às 18h00 | Encerrado: 1 de janeiro, domingo de Páscoa, 1º de Maio e 25 de Dezembro
Website: Câmara Municipal de Guimarães
Email: pduques@culturanorte.pt
Telefone: (+351) 253 412 273

Mapa

Cronologia

→ 928: Morte de Hermenegildo Gonçalves
→ 950/957: Fundação do Mosteiro de Santa Maria e do Castelo de São Mamede
→ 1128: Batalha de São Mamede
→ Século XII a século XIII: Construção das muralhas
→ Século XIX: Destruição da Torre de São Bento
→ 1908: Classificação como Monumento Nacional

Partilhar

Deixar uma resposta

Fechar