Convento do Carmo

Convento do Carmo

O Convento do Carmo, originalmente fundado por D. Nuno Álvares Pereira em 1389, foi um importante edifício religioso até ao período da extinção das ordens religiosas em 1834. Atualmente as ruínas do convento abrigam o Museu Arqueológico do Carmo, onde se pode observar uma vasta coleção de peças das ordens religiosas extintas e diversos elementos pertencentes à antiga estrutura do próprio convento. Para além disso está aqui também presente o túmulo de D. Fernando I e duas múmias da época pré-colombiana em exposição permanente.

A criação do Convento do Carmo

A construção do convento foi feita a mando de D. Nuno Álvares Pereira, Condestável de Portugal, e foi imediatamente ocupado pelos frades carmelitas do Convento do Carmo de Moura. O estilo gótico do traçado original do convento e a associação ao condestável tornaram-no num dos espaços religiosos mais emblemáticos de Lisboa.

Convento do Carmo
Singa Hitam, Wikimedia Commons

Ao longo dos anos o convento foi levando vários acrescentos e alterações, nomeadamente a construção das diversas capelas, tornando assim o Convento do Carmo numa das construções mais ricas da cidade de Lisboa.

Cai o Carmo e a Trindade

O terramoto que assolou a cidade em 1755 foi particularmente destrutivo para o Convento do Carmo, provocando enormes danos na estrutura do edifício, seguindo-se o incêndio que destruiu praticamente todo o seu recheio. A destruição causada pelo terramoto levou a um processo de reconstrução, interrompido em 1834 com a extinção das ordens religiosas. A reconstrução do edifício em estilo neogótico é especialmente denotada nos pilares e nos arcos das naves, e que pode ainda ser observado nos dias de hoje.

Convento do Carmo
Shadowgate, Wikimedia Commons

A revolução e o Museu Arqueológico do Carmo

A extinção das ordens religiosas levou ao crescente abandono do património a elas associado, e durante os anos que se seguiram o Convento do Carmo não fugiu à regra. Logo a seguir, em 1836, uma parte do convento foi convertida em quartel tendo sido criado o Quartel do Carmo, que foi um local bastante importante durante a revolução de 25 de Abril de 1974. A cedência das ruínas do convento à Associação dos Arqueólogos Portugueses revelou-se bastante benéfica para a reabilitação do espaço, uma vez que como consequência foi criado o Museu Arqueológico do Carmo em 1864, sendo este o primeiro museu da especialidade em Portugal.

Informação Geral

Morada: Largo do Carmo, 1200-092 Lisboa

Horário: 1 de Outubro a 31 de Maio: Segunda-feira a Sábado – 10h00 às 18h00 | 1 de Junho a 30 de Setembro: Segunda-feira a Sábado – 10h00 às 19h00 | Encerrado: Domingo, Natal, Ano Novo e 1º de Maio

Email: secretaria@arqueologos.pt

Telefone: (+351) 213 460 473

Website: Museu Arqueológico do Carmo

Transporte: Autocarro 202, 758 (Carris) | Linha Azul – Estação de Baixa-Chiado (Metro)

Mapa

Cronologia

→ 1389: Fundação do convento
→ 1397: Início da ocupação pelos frades carmelitas
→ 1755: Terramoto e danos graves na estrutura
→ 1834: Extinção das ordens religiosas
→ 1836: Criação do Quartel do Carmo
→ 1964: Criação do Museu Arqueológico do Carmo

Deixar uma resposta

Fechar