Palácio Nacional de Sintra

Palácio Nacional de Sintra

O Palácio Nacional de Sintra está localizado no centro da vila, e é um dos edifícios característicos da paisagem que aqui se apresenta. A mistura de estilos utilizados no edifício confere uma beleza arquitetónica ao edifício, e as suas duas chaminés cónicas de 33 metros de altura são uma das primeiras características estéticas que se identifica no palácio. O palácio perdurou no tempo desde o período de domínio mouro até aos dias de hoje, tendo servido como residência de Verão da família real até aos últimos anos do regime monárquico.

Vista do exterior do Palácio Nacional de Sintra
Alvesgaspar, Wikimedia Commons

Origens do Palácio Nacional de Sintra

As primeiras referências à existência de um alcácer mouro na zona onde hoje está construído o palácio datam do século X. O alcácer manteve-se sob domínio muçulmano até 1147, quando, em sequência da conquista de Lisboa, D. Afonso Henriques chegou a Sintra.

Durante os anos que se seguiram o palácio manteve-se intacto até D. Dinis mostrar interesse nele e ter ordenado a execução de obras de restruturação e manutenção. As grandes obras de transformação do palácio ocorreram nos séculos XIV e XV durante o reinado de D. João I. Exemplo destas obras são a ampliação do palácio e a organização da ala joanina em 3 núcleos.

Fotografia da sala interior do Palácio Nacional de Sintra
nborges, Wikimedia Commons

A corte e o palácio

Em 1481, D. João II é aqui aclamado rei de Portugal, conferindo ao palácio uma importância na vida da família real portuguesa. No seguimento das obras realizadas durante o reinado de D. João I, o palácio voltou a sofrer alterações durante o reinado de D. Manuel I. Estas alterações prenderam-se fundamentalmente com o embelezamento do palácio, sendo-lhe conferido diversos motivos de decoração e diversos pátios interiores.

Fotografia da cozinha do Palácio Nacional de Sintra
Shadowgate, Wikimedia Commons

Aqui também viveu D. Afonso VI após ter sido obrigado a abdicar do trono, tendo sido mantido em cativeiro durante 9 anos até à data da sua morte, em 1683. Após este período, o palácio foi perdendo destaque na vida da família real portuguesa. Em 1755 foi vítima da destruição provocada pelo grande terramoto, tendo sido sujeito a diversas obras de reparação entre os anos 1784 e 1787. Em 1910 o Palácio Nacional de Sintra é classificado como Monumento Nacional.

Fotografia da Sala dos Brasões no interior do Palácio Nacional de Sintra
Dguendel, Wikimedia Commons

Informação Geral

Morada: Largo Rainha Dona Amélia, 2710-616 Sintra

Horário: Até 27 de Outubro de 2018: 9h30 às 19h00 (última entrada às 18h30)

Email: comunicacao@parquesdesintra.pt

Telefone: (+351) 219 237 300

Website: Parques de Sintra

Transporte: Autocarro nº 434 e 435 Scotturb | Comboio Estação Sintra (CP) – 1 km a pé

Mapa

Cronologia

→ Século X: Primeiras referências à existência de um alcácer mouro
→ 1147: Conquista de Sintra por D. Afonso Henriques
→ 1281: D. Dinis ordena a execução de obras de reestruturação e manutenção
→ Século XIV-XV: Grandes obras de transformação do palácio
→ 1481: Aclamação de D. João II
→ 1498: Obras manuelinas
→ 1683: Morte de D. Afonso VI
→ 1755: Terramoto provoca danos no palácio
→ 1784-1787: Obras de restauro no palácio
→ 1910: Classificação como Monumento Nacional

Partilhar

Deixar uma resposta

Fechar